Quarentena e as questões emocionais

O atual cenário de pandemia e consequente quarentena nos impõe um isolamento físico, mas que não precisa ser necessariamente um isolamento social. A reclusão pode fazer com que as pessoas se sintam em uma prisão, em um cativeiro e impedi-las de manter contato com outras pessoas, o que se torna um risco à saúde mental. É necessário manter distância física, mas temos diversas opções para seguirmos com os nossos relacionamentos sociais.

Você está vendo sua casa mais como um cativeiro do que como um local de segurança? Se isto está acontecendo, tente mudar esse pensamento para algo mais positivo, a casa neste momento é um lugar de segurança e conforto, e essa é a hora de identificar outros aspectos positivos de estar em casa neste momento.

Um sinal de que você está mais recluso do que o natural, é perceber que está evitando o contato com outras pessoas. Neste período de distanciamento social, é necessário conversar, mesmo de forma virtual, para expor suas alegrias, expectativas, angústias e trocar experiências.

Você está sem vontade de levantar da cama, sem energia para fazer nada? Isto está acontecendo todos os dias ou eventualmente?

Há dias em que todos nós nos sentimos mais desanimados e tristes, e não queremos muito contato com ninguém, isso é normal, porque estamos nos adaptando a uma nova rotina, a uma nova maneira de levar o dia a dia, estamos aprendendo a lidar com este novo cenário.

No entanto, se essa sensação de querer um afastamento extremo persistir, pode ser um sinal de alerta, de que você está se isolando mais do que deveria. Há vários grupos de psicólogos atendendo on-line. Neste caso vale buscar ajuda de um profissional e conversar sobre isso, para entender o que está acontecendo, não hesite em pedir ajuda.

Neste momento, é muito importante que a pessoa estabeleça uma rotina. Tanto para quem está trabalhando em casa, quanto para quem está cumprindo a quarentena. Tenha um horário para acordar, um horário de tomar o café da manhã, horário de almoçar, de jantar, cumpra uma rotina e nessa rotina é fundamental cumprir algumas atividades físicas, já que elas ajudam muito a manter a saúde física e mental em dia. Há vários professores de educação física postando vídeos de como se exercitar em casa. Então é importante manter um horário para se exercitar. Manter a rotina no seu dia a dia, ajudará muito a sua sanidade mental.

Além disso, para quem não está acostumado com o sistema remoto de trabalho pode sentir mais solidão e stress, porque não há aquele momento de parada do cafezinho, aquela brincadeira com os amigos. Isso tudo não vai existir, e muitas vezes as pessoas acabam extrapolando o horário, e trabalhando até mais tarde do que se estivessem na empresa.

Mas é possível amenizar a solidão! Quem está trabalhando em home-office pode criar algumas estratégias, como:

• Organize um “cantinho” do trabalho (uma estação de trabalho);

• Seja disciplinado com os horários de início, intervalos e fim de expediente;

• Ao acordar, coloque roupa de trabalho, ou seja, nada de ficar de pijama o dia todo;

• Coloque pequenas metas diárias para entregar/concluir tarefas, isso fará se sentir mais produtivo;

• Encontre pessoas como você, que estão em home-office, participe de grupos de discussão, sejam via redes sociais, ou através de fóruns, que permitem que você compartilhe sua rotina, seus desafios e sucessos, isso ameniza a solidão;

• As conversas por vídeo chamada também podem ajudar muito, ao invés de fazer ligações, faça uso do Skype, Facetime, vídeo chamada do WhatsApp;

• Por fim, lembre-se que essa é uma fase passageira e, em breve, a rotina normal será restabelecida.

Também é fundamental que você não se cobre tanto, faça as atividades que conseguir, sem cobranças e sem se comparar com outras pessoas, lembre-se que cada um tem a sua maneira de lidar com este momento. Quando não conseguir se concentrar em alguma tarefa, pare, não force, tente outra coisa.

Nas horas livres, procure atividades prazerosas, tente identificar o que pode te trazer mais prazer e serenidade nestes dias. Atividades simples, como por exemplo, cozinhar, limpar a casa, dançar, ler um livro, podem ajudar.

Se não conseguir se concentrar em uma atividade, tente outra, ou simplesmente permita-se não fazer nada nos momentos que não quiser, permita-se o ócio e a preguiça, sem se cobrar. O momento não é de cobrança e rigidez, é uma oportunidade de se conhecer e estabelecer uma nova maneira de lidar com o dia a dia.

Não seja rígido com você mesmo e não se cobre demais, essa fase vai passar!

Rita de Cássia Chagas
Psicóloga
CRP: 06/50539-8