Alimentação na gravidez: como se cuidar nesse momento?

17 de agosto de 2021 06m35s de leitura

Compartilhe

Alimentação na gravidez: como se cuidar nesse momento?

Durante a gestação é normal que muitas dúvidas surjam na cabeça das mamães. Elas, principalmente, envolvem preocupações com o parto, período de lactação, todos os preparativos para a chegada do bebê e uma das mais importantes: a alimentação na gravidez.

Tudo que a mulher ingere afeta diretamente o seu bem-estar e o desenvolvimento do bebê. Por isso, é muito importante que todos os nutrientes necessários estejam incluídos na dieta. 

Pode parecer um pouco confuso, mas estamos aqui para te ajudar!

Quer entender a importância de uma boa alimentação na gravidez e o que comer em cada fase dela? Então confira esse artigo que preparamos especialmente para você.

Como ter uma alimentação na gravidez saudável? 

No período de gestação, uma boa alimentação garante a formação saudável e completa do bebê e evita complicações e desconforto para a mamãe.

Isso porque, esse momento para a criança é chamado de janela da oportunidade. Em outras palavras, o período voltado a proporcionar ao filho todos os nutrientes fundamentais para que ele se desenvolva e nasça. Já para a gestante, é importante para que ela percorra toda a gravidez evitando algumas complicações e desconfortos. 

Portanto, a alimentação na gravidez deve ser rica em frutas, vegetais e proteínas. Também incluir alimentos ricos em ferro, cálcio, ácido fólico, zinco, vitamina B12 e vitamina A.

Dentre todos esses nutrientes essenciais para as mamães, três se destacam: o ácido fólico, ferro e vitamina B6. Isso porque, o ácido fólico, conhecido também como vitamina B9, ajuda no fechamento correto da espinha e formação do tubo neural do bebê. Já o ferro é essencial para a produção de hemoglobina da gestante. 

E por fim, a vitamina B6 é uma forte aliada das mamães que sofrem com o enjoo, ela auxilia na diminuição desse sintoma.

O que comer?

Como vimos anteriormente, a alimentação da gravidez deve ser rica em muitos nutrientes. Outro fator importante, é que os alimentos sejam preparados grelhados ou a vapor, evitando as frituras e alimentos processados. 

É normalmente também que os médicos prescrevam alguma suplementação para ajudar a gestante com esses nutrientes. Jamais faça isso por conta própria, procure sempre a orientação de um médico. 

A Filóo saúde te ajuda a encontrar o profissional que você necessita para o melhor tratamento. Clique aqui e saiba mais. 

Ácido Fólico 

Podemos encontrá-lo nos seguintes alimentos: espinafre, brócolis, couve, aspargo, couve de bruxelas, feijão e tomate.

Do primeiro ao terceiro mês de gestação, o ácido fólico não pode ficar fora ou não ser inserido corretamente na dieta. Isso porque, essa vitamina ajuda a formação correta do tubo neural, evitando problemas como a hidrocefalia e a espinha bífida. 

Ferro

Podemos encontrá-lo nos seguintes alimentos: Ferro: feijão, ervilha, grão de bico, ovo, cereais, pão integral e vegetais e folhas verdes.

Especialmente no segundo e terceiro trimestre de gestação, o ferro é essencial para o bebê em desenvolvimento e para a formação saudável da placenta. Outro ponto importante, é que a quantidade de sangue aumenta no corpo da gestante em até 50%, sendo assim, mais ferro é necessário para produzir as hemoglobinas.

Cálcio 

Ele está presente nos seguintes alimentos: produtos lácteos, vegetais escuros, gergelim e frutos secos, como as nozes.

Esse mineral contribui para a formação do esqueleto do bebê, fortalecendo os ossos e dentes. Para o corpo da gestante também é necessário, isso porque, a falta dele pode ocasionar cãibras, cáries e unhas quebradiças nas mulheres. É importante ficar atento, principalmente, durante a 16ª semana até a 36ª.

Vitamina B2

Pode ser encontrada em produtos lácteos, ovos e alimentos fortificados.

Para um melhor desenvolvimento do feto, principalmente no primeiro trimestre da gestação onde ocorre toda a formação do corpo do feto, essa vitamina não pode faltar

Ela também ajuda a reduzir a fadiga, otimizar o sono e produzir proteínas e químicos cerebrais que previnem a depressão.

O que evitar? 

  • Peixes com alto teor de mercúrio: deve-se evitar atum e o peixe espada, pois o mercúrio atravessa a barreira placentária e pode prejudicar o desenvolvimento neurológico do bebê;
  • Carnes, peixes, ovos e mariscos crus: é importante que esses alimentos estejam bem cozidos para que evite uma possível intoxicação alimentar;
  • Bebidas alcoólicas: o consumo de bebidas alcoólicas na gravidez está associado ao atraso no crescimento e desenvolvimento do bebê.

Espero que esse texto tenha te ajudado a entender como ter uma alimentação na gravidez saudável e a importância de cada alimento. Para mais conteúdos relevantes, nos acompanhe nas redes sociais. Na dúvida, procure um profissional de saúde. E se precisar, lembre-se: conte com a gente. Cartão Filóo Saúde.