Exames oftalmológicos: conheça os principais procedimentos

18 de janeiro de 2021 06m49s de leitura

Compartilhe

Exames oftalmológicos: conheça os principais procedimentos

A ida ao oftalmologista nos reserva uma série de exames oftalmológicos de rotina. E se você já foi a uma consulta para ver como anda a sua saúde ocular deve lembrar que alguns procedimentos começam antes mesmo de entrar no consultório médico. 

De fato, os exames são muito importantes para o diagnóstico e prevenção de doenças oculares. E, por isso, é comum que os oftalmologistas nos examinem usando mais de um aparelho. 

Mas você sabe quais são os principais exames oftalmológicos e para que eles servem? Acompanhe agora o conteúdo que a Filóo preparou e saiba a importância dos procedimentos para a sua saúde ocular. 

Quais são os tipos de exames de vista?

Popularmente conhecido como exame de vista, existem diversos procedimentos que auxiliam no diagnóstico de problemas oculares e até mesmo de doenças sistêmicas.

Cada procedimento serve para investigar uma parte específica dos nossos olhos. Entre os procedimentos padrões, podemos citar o exame de refração e de fundo de olho, por exemplo. Mas também há diversos exames oftalmológicos que são realizados de acordo a necessidade e histórico de cada paciente. 

Quais os principais exames oftalmológicos realizados em uma consulta? 

Auto-refração e tonometria de não-contato

A auto-refração e a tonometria de não-contato são procedimentos que costumam ser feitos antes da consulta com o oftalmologista em uma sala reservada. Alguns médicos, no entanto, realizam esses exames dentro do próprio consultório. 

A auto-refração dá uma estimativa do possível grau do paciente. Já a tonometria de não-contato, mede a pressão intraocular,  aquele exame que solta um sopro no olho, sabe?

Exame de refração 


O exame de refração é muito comum e está entre os principais procedimentos realizados em uma consulta de rotina. Esse exame é feito com um aparelho bem característico e que logo vem na nossa cabeça quando pensamos em ir ao oftalmologista, o Refrator de Greens, aqueles óculos bem grande. 

Por meio desse exame, o médico verifica se o paciente possui astigmatismo, miopia, hipermetropia ou presbiopia. Além disso, o doutor consegue identificar o quanto o paciente enxerga e qual o grau ele precisa usar

E você, qual foi a última vez que foi ao oftalmologista? Não esqueça de cuidar da saúde dos seus olhos. Com seu cartão Filóo Saúde você pode marcar consultas por um valor abaixo do mercado. Cadastre-se agora!  

Exame de fundo de olho ou fundoscopia indireta

O exame de fundo de olho serve para o médico visualizar a região interna do olho, como nervo ótico, retina e vasos, porém, a parte posterior dessas estruturas. 

Além de ter importante papel para identificar e prevenir doenças oculares (glaucoma e câncer de retina), o procedimento permite detectar problemas clínicos sistêmicos, como hipertensão arterial e diabetes. Isso porque examinando dentro dos nossos olhos é possível ver atividades de outras partes do corpo.

Tonometria de contato 

A tonometria de contato serve para examinar a superfície do olho, que conta com estruturas como córnea, cristalino, íris e pálpebra. O exame é feito com as luzes apagadas e por meio do aparelho chamado lâmpada de fenda de luz. 

Como você pode perceber há semelhança entre os nomes desse exame com outro exame já citado acima (tonometria de não-contato). Isso porque ele também serve para medir a pressão.

Assim como o exame de fundo de olho, ele pode detectar doenças externas. Além disso, ele é usado para diagnosticar a hipertensão ocular e o glaucoma. 

Mapeamento de retina

O mapeamento de retina também é um exame de fundo de olho, no entanto, o procedimento investiga detalhadamente a retina. Ele não é realizado em toda a consulta médica, mas é fundamental para o acompanhamento de pacientes diabéticos ou com pressão arterial, além de pessoas que possuem mais de 50 anos ou pacientes que passarão por cirurgia ocular.   

Também é realizado para auxiliar no diagnóstico de inflamação ocular, problemas neurológicos, glaucoma, descolamento de retina e outros. 

E dilatar a pupila? 

Dilatar a pupila não é considerado um exame, mas sim um procedimento que auxilia na realização de diversas avaliações, como o mapeamento de rotina e, principalmente, o exame de refração. Ao dilatar a pupila, o médico consegue visualizar de forma mais fácil áreas que, antes, eram difíceis de serem examinadas

Além disso, o procedimento é uma importante ferramenta para proporcionar uma precisão do cálculo das lentes dos pacientes

Qual a importância dos exames oftalmológicos?

A visão é um dos nossos sentidos mais importantes, não deixe de cuidar da saúde dos seus olhos. Precisando ir ao oftalmologista? Conte com a Filóo Saúde, cuidado e atenção primária. 

Gostou do conteúdo? Compartilhe essa publicação com seus amigos e familiares!