Dezembro Vermelho: quais são as ações de combate à Aids no Brasil?

02 de dezembro de 2020 06m57s de leitura

Compartilhe

Dezembro Vermelho: quais são as ações de combate à Aids no Brasil?

O mês doze é marcado pela campanha de luta contra a AIDS, conhecida nacionalmente como Dezembro Vermelho. O Ministério da Saúde estima que, no Brasil, 160 mil pessoas vivem com o vírus causador da doença e não sabem. O dado mostra a importância das ações que buscam informar sintomas, perigos e formas de prevenção contra o problema clínico. 

A AIDS é provocada pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV), que ataca o sistema imunológico, deixando o indivíduo mais vulnerável para o aparecimento de outras doenças oportunistas.

Muitas pessoas infectadas por esses organismos podem viver anos sem desenvolver a AIDS. No entanto, ainda assim, esse grupo pode transmitir o vírus para outras pessoas

Outro sinal de alerta está relacionado ao número de casos, o Brasil teve alta de 21% de infecções causadas por HIV em um período de 8 anos. Dessa forma, a  campanha de conscientização de combate à AIDS se torna ainda mais necessária. 

Como surgiu Dezembro Vermelho?

O Ministério da Saúde criou o Dezembro Vermelho em apoio ao Dia Internacional de Combate à AIDS, celebrada mundialmente no primeiro dia do mês doze. 

Assim como em outras campanhas, como Setembro Amarelo, Outubro Rosa e Novembro Azul, o Dezembro Vermelho tem o objetivo de levar conhecimento para a população e, assim, prevenir o problema clínico. 

Além disso, as ações buscam frear estigmas e preconceitos que ainda rodeiam a doença e pessoas que possuem a AIDS. Por isso, a disceminação de informações corretas também tem resultados positivos no que diz respeito à diminuição da discriminação de pessoas que possuem o vírus. 

Quais as ações do Dezembro Vermelho?

As ações do Dezembro Vermelho são realizadas por empresas privadas e órgãos públicos. Entre as atividades de divulgação, estão a distribuição de laços vermelhos (símbolo da campanha) e de preservativos, organização de palestras informativas e a realização de testes rápidos de forma gratuita

Mas, afinal, como ocorre a transmissão de AIDS?

AIDS é a sigla em inglês para Síndrome da Imunodeficiência Adquirida. A doença, causada pelo vírus HIV, é caracterizada pelo enfraquecimento do sistema imunológico. A ação permite que os indivíduos fiquem mais vulnerável a outras doenças, como um simples resfriada a infecções mais graves, como o câncer. 

Ao contrário do que muitas pessoas pensam a AIDS não se transmite por meio de beijos, abraços e apertos de mão. Sexo desprotegido, seringa compartilhada e sangue infectado estão entre as principais formas de contágio da doença.

Qual a diferença entre AIDS e HIV?

Embora os termos HIV e AIDS, muitas vezes, sejam confundidos como sinônimos, vale ressaltar que ser portador do vírus HIV não é a mesma coisa que ter AIDS. HIV é o vírus causador da AIDS, organismo esse que destrói células específicas (linfócitos T-CD4+) responsáveis por defender nosso corpo contra doenças. 

O quadro da AIDS é caracterizado pelo baixo número de linfócitos em nosso organismo. Existem diversos casos em que pessoas não desenvolvem a doença, no entanto, uma vez infectada, o paciente viverá com o HIV para sempre. 

Sintomas 

Os sintomas iniciais da infecção por HIV podem ser confundidos com gripe, como moleza no corpo, febre e dor de garganta. Outros sinais que podem indicar infecção por HIV são dor no corpo e gânglios na virilha e axilas

Diagnóstico 

O diagnóstico da infecção pelo HIV é feito por meio da coleta de sangue ou por fluido oral. No Dezembro Vermelho, a realização de exames laboratoriais e testes rápidos, que detectam os anticorpos contra o HIV em poucos minutos, fazem parte das ações da campanha. 

O diagnóstico é imprescindível para a realização do tratamento (terapia antirretroviral), que consiste na redução da carga viral, evitando assim, a diminuição do número de linfócitos no organismo. Além disso, quando a carga viral do HIV está baixo, o risco de transmissão da doença é reduzido.

Prevenção

Sabemos que toda campanha de conscientização precisa de um comprometimento da população para alcançar os objetivos das ações. No caso da AIDS, essa característica se torna ainda mais necessária, afinal, a principal forma de combate contra a doença é a prevenção

O sexo seguro, ou seja, com o uso de preservativos continua sendo o método mais eficaz para prevenir não só a AIDS, como também outras doenças sexualmente trasmissíveis. E é claro: o preservativo deve ser usado do começo até o fim de qualquer relação sexual. 

De fato, os avanços no acesso ao tratamento com antirretrovirais gerou uma diminuição do número de mortos causados pela doença, no entanto, é preciso se atentar à alta de casos no período entre 2010 e 2018 no Brasil. 

A Filóo promove saúde, por isso, apoia a luta do combate à AIDS! 

Esta informação foi importante pra você? Compartilhe com quem você se preocupa!