Doenças comuns na infância: saiba quais são e como prevenir

15 de outubro de 2020 06m00s de leitura

Compartilhe

Doenças comuns na infância: saiba quais são e como prevenir

O cuidado com as crianças é prioridade na rotina de quem é pai e mãe. Mas a verdade é que determinadas situações fogem de nosso controle. Surto de catapora na escola, contato com coleguinhas com piolho, brincadeiras em locais com bicho do pé e por aí vai. Pois é, algumas doenças comuns na infância são difíceis de evitar. 

Muitas vezes, as enfermidades nos pequenos está ligada a maior exposição dos nossos filhos aos agentes infecciosos e ao desenvolvimento do sistema imunológico das crianças, que nessa fase da vida está em processo de amadurecimento. 

Em meio a brincadeiras, crescimento, choros e risos, as enfermidades também fazem parte da infância. Pensando nisso, a Filóo trouxe um guia prático com as doenças mais comuns em crianças para você ficar por dentro do assunto. Acompanhe a leitura! 

Quais as doenças comuns na infância? 

Catapora

O adulto de hoje provavelmente já teve catapora quando era criança. A doença viral, também conhecida como varicela, é altamente contagiosa e é muito comum na infância, principalmente pela condição de imunidade adquirida após a contaminação.

O local mais comum para se pegar catapora é na escola, uma vez que a transmissão ocorre pelo contato com o portador do vírus (provavelmente uma criança). 

Os sintomas da doença são bem característicos, sendo eles manchas avermelhadas, pequenas bolhas, coceira e febre alta. Após o advento da vacina, os surtos de catapora diminuíram, mas a doença continua atingindo os nossos pequenos. 

Antes do desenvolvimento da vacina, não tinha muito como “fugir” da catapora. Caso algum coleguinha da mesma sala apresenta-se os sintomas, era mais uma questão de quando o filho iria pegar do que como se proteger. Hoje, no entanto, a prevenção se dá por meio da vacinação tetra viral. 

Com o cartão Filóo Saúde, você tem até 20% de desconto em exames e vacinas. Saiba mais aqui

Bicho de pé 

O Bicho de pé é uma das doenças mais comuns na infância. Causada por uma pulga, a contaminação ocorre quando entramos em contato com o solo em que esse parasita se encontra. Como a pulga pode ser encontrada em solos quentes e arenosos, as crianças costumam pegar a enfermidade em parquinhos de areias, jardins e praças. 

Entre os sintomas do bicho do pé, podemos citar a lesão na pele (local onde a pulga se instala), que causa como resposta inflamatória uma coceira intensa e dor

O tratamento da doença pode ser feito por um clínico geral, pediatra, dermatologista ou infectologista e consiste em retirar o parasita da pele. 

A prevenção se dá ao tentar evitar o contato com o parasita, para isso, é importante que seu filho brinque em parques com areia sempre calçado. Além disso, vale tratar os locais com possíveis infestações. 

A Filóo cuida de você e de sua família. Por uma assinatura mensal de apenas R$9,99 tenha acesso a teleconsultas, consultas presenciais, descontos em exames e medicamentos. Saiba como adquirir seu cartão Filóo Saúde clicando aqui! 

Pediculose (Piolho) 

A pediculose é a doença causada pelo piolho. Se seu filho está em idade escolar, deixar ele livre dessa enfermidade não será uma tarefa fácil. Ao contrário do que muitos pensam, a doença não está ligada a falta de higiene. A incidência desse inseto sanguessuga pode aumentar nos dias quentes, tendo em vista que o calor beneficia sua proliferação.

A condição é comum em crianças porque esse grupo costuma ter bastante contato físico, principalmente em escolas e creches. O parasita deposita ovos nos fios de cabelo, causando infestação seguida de coceira intensa, manchas vermelhas na cabeça e sensação de movimento dos cabelos.

A transmissão pode ocorrer por meio do contato direto com o parasita ao encostar na cabeça de alguém infectado ou pelo compartilhamento de objetos pessoais. O tratamento é feito à base de shampoos próprios e medicamentos receitados por médicos. 

Uma forma de reduzir os casos de piolho na infância é realizar atividades que informem os pequenos sobre a importância de não compartilhar objetos pessoais, como bonés, chapéus, escovas e tiaras. Além disso, vale o responsável examinar com frequência a cabeça das crianças. 

Gostou do texto? Compartilhe esses cuidados com as mamães que você conhece. Vamos tomar conta de nossas crianças!